.

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Comunicado

Isso aqui não foi abandonado,apenas tive problemas
já que isso é comandado por um humano que necesita de criatividade
sei que não é necessária tanta criatividade para uma história idiota
mas é melhor uma merda cherando a flor do que cherando a merda.

Lembrem-se disso.

Voltaremos a programação normal.

terça-feira, 30 de outubro de 2007

O Sonho de um Mexicano
Capítulo Onze : O Começo do fim(Parte 2)


Tudo está pronto para começar,como aqui não é
quadrinho de amarelo eles vão logo a ação.

Clayton é o primeiro a se movimentar,ele ve uma
ferrari vermelha e vai direto a ela,um homem loiro
de oculos escuros e atlético dirige,ele parecia ser
forte,ele parecia ser poderoso,ele tinha realmente uma
aurea de quem daria problemas,então Clayton pega a arma
dá um tiro na cabeça dele,pega a Ferrari e joga o corpo
fora,depois pronuncia no mais correto português

"Não suja a porra do meu carro de sangue,seu merda"

Clayton então avança um pouco,coloca o balde com
alcool no banco do carona e como qualquer filme americano
onde todo mundo é O FODA dirigindo,consegue também essa
façanha,ele dá um cavalo de pau no meio da pista em
frente a casa branca,o suficiente para fazer outros
carros pararem,isso já chama atenção de alguns policias
dali,então outros motoristas buzinam e chingam o Brasileiro
mal sabendo que aqueles eram seus ultimos instantes de vidas.
Clayton então,corre do carro com o balde fazendo-o uma trilha
de alcool e quando pega uma distancia,acende um fosforo e o deixa
cair no chão,instantaneamente a explosão ocorre e Clayton sorri
enquanto vai pegar a bomba de gás feita por Juan para sua segunda
participação no plano.

Alguns policias da area nervosos ficam confusos na relação
do que fazer

Policial 1

"Oh,Man corra atrás daquele afro-american man,go,go!"

Policial 2

"Shit,as rosquinhas não me permitem correr"

Policial 3

"Oh my God,esqueçam o afro-man liguem para a Swat"

Enquanto isso explosões de carro,fogo,pessoas correndo
desesperadas e muitos gritos de socorro faziam uma junção
unica formando um verdadeiro carnaval norte-americano.
Os policias não treinados tentam a comunicação com os policias
da Casabranca pedindo reforços

"Oh,Man,Shit precisamos de ajuda,houve uma forte explosão
aqui perto chamem O B.O.P.E!!!!!"

Atendente

"Mas,B.O.P.E é do Brasil,até o C.O.R.E é do Brasil,
o que podemos fazer é dar reforço do esquadrão anti-terrorismo"

Policial

"Porra,agente só tem a MERDA do esquadrão Anti-terrorismo?
Shit,SHIT!!!!"

Juan então corre até a entrada principal da CasaBranca e
envia uma dinamite que faz uma explosão SENSACIONAL,derrubando
qualquer chance de proteção a entrada a Casa do Presidente.

E claro como o Juan é o FODÃO dessa história tudo ocorreu como
o planejado(Até agora).

Mensageiro a Bush

"Oh Sr. President a explosão afetou a entrada da nossa localidade"

Bush misteriosamente cheirando a fezes grita desespeado

"Acionem o Helicóptero,Deus nos ajude,HELICOPTERO!!!!
HELICOPTERO!!!!!RÁPIDO!!!!! SOCORRROOOO!"

Um segurança do presidente tenta o acalmar

"Calma presidente,calma,precisamos saber a situação
lá fora e a situação do céu se está tudo permitido e
seguro para voar,logo após lhe levaremos para um local seguro!"

Presidente

"Chuck,chamem Chuck Norris"

Segurança

"Presidente,já lhe dissemos que aquilo era só filme
senhor presidente."

Presidente

"Então,eu ordeno que Jack Bauer tome conta da situação"

Segurança
"Senhor Presidente,aquilo era só um seriado presidente!"

Presidente
"Meu Deus,ENTÃO CHAMEM O B.O.P.E"

Segurança

"Presidente,o B.O.P.E é do Brasil presidente"

Presidente

"Ufa,pelo menos uma eu acertei!"

Juan está no carro e no porta-mala está a bomba de Gas que
ele dará para Clayton explodir,Juan pensa no momento certo em
que a bomba atuará

"Ela é potente e desacordará todos num raio de 5Km em 20 segundos,
entretanto a dosagem é pequena e certamente em 4 minutos todos acordarão.
Tenho que trabalhar em conjunto a Clayton para que ela seja acionada
no momento correto,seu material rarissimo não permitiu um prolongamento
de sua ação"

Enquanto isso Ramirez e Palhaço Cachaça avançam a casa Branca
a maioria dos policias está tentando conter o Fogo e a confusão
causada por Clayton,eles estão amontoados pertos e o instinto
Natural de Ramirez não consegue ver tantos americanos juntos
sem AQUELA vontade de matar...rápidamente ele atira com uma
bala no exato local do tanque de um carro que está perto deles
e...STRIKE...todos policias daquela area pegam fogo junto a explosão
Ramirez gargalha e passa enfim pelo portão de entrada

"HAHAHAHAHAHAHAHA,hombre isso és muy bueno!"

ENTRETANTO,Ramirez é parado ferozmente por apenas um homem
ele usa óculos,roupa descolada e tem um palito na boca,o tal homem
fica parado na frente de Ramirez e olha fixamente dentro dos olhos
do Mexicano enquanto diz

"Você é a doença,eu sou a cura"...

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

[OFF]Novo Visual

Aí está,um novo visual para o Blog,eu acho que ficou melhor
se você acha que não ficou o problema é seu e você é viado.
Estarei tentando fazer melhoras ao longo do tempo.
Acho que com esse visual fica mais facil de ler e mais "bonitinho".

Estou buscando parcerias,então você que passou aqui
e gostou,ou até não gostou,vamos fazer uma parceria.

Ah,e eu tirei aquele banner do Google.
Não sei porque toda hora aparecia venda de biblias online por ele.

Ps: Algumas pessoas(Muito burras por sinal)
apresentam problemas quando tentam acessar os Capítulos Anteriores.
É só clicar no MÊS que o capitulo foi postado e no titulo do Capítulo.
OBVIAMENTE os primeiros capítulos ficam nos meses anteriores,e todos estão numerados.

Continue acessando.

O Ritmo do site deve aumentar,imprevistos devem ser diminuidos

domingo, 21 de outubro de 2007

Foi Mal..Viajei e estou em semanas de prova.
Ao contrário do que você pensa a respeito...
É um HUMANO que escreve essa porra.

Férias até dia 25...Como é bom ser patrão

sábado, 6 de outubro de 2007

O Sonho de um Mexicano
Capítulo Dez: O Começo do Fim


Juan dirige o carro e sem surpresas pilota
mágicamente,fugindo de obstaculos comuns nos E.U.A
como cantores de rap,gordos quicando e revistas
pornos cheio de Photoshop.

Ramirez ve um papel no carro que foi escrito por
Juan,ele vai dizer ao bando um pouco do plano do
mudo

"Nosostros vamos parar 500 metros antes de Casablanca
Lá podemos detalhar el plano...Palavras de Juan"

Clayton

"É o nosso dever e nossa salvação"

O Palhaço cachaça olha com disconfiança pra Clayton

Clayton reponde o olhar de Cachaça

"Colé,eu sô Protestante"

...

Depois de algum tempo,Juan chega ao local planejado
Uma rua deserta,com becos e muros pichados e claro
cheio de cantores de Raps que sonham em fazer um clip
onde mostram um belo carro,gostosas e maconha.

Juan escreve um roteiro para Ramirez explicar o grupo.

"Bueno,vamos hacer o seguinte,Clayton corre e
vai assaltar um caro qualquier de alguno americano..."

Clayton interrompe

"ôÔÔ,Pus que,EU vou ter que assaltar?"

Ramirez explica

"Tu es brasileño"

Clayton

"Então...eu tenho que assaltar,matar,destruir
só um assaltinho não sacia meu instinto natural
brasileiro"

Ramirez

"Podes matar el motorista"

Clayton

"Menos mau"

Então Ramirez continua o plano criado pelo mudo

"Clayton,tu vai levar com tigo uno balde com alcool
depois que roubar qualquier carro,colocarás fogo nele,mas só
quando ele estiver perto de outros carros,para acontecer
una grande explosion,logo após,tu correrá daquele lugar para não
ferir-te.
Nisso Juan explodirá a entrada principal da Casablanca
e também fugirá para os fundos,los hombres de casablanca
pensarão que la entrada se explodiu graças ao
"acidente" criado por Clayton."

Clayton

"Esse mudinho é foda!...me lembra um funk neurótico...
Eu tenho dois amigos
o fanho e o pavarotti
No baile funk a voz dos garotos
Com certeza dão sacode!"

Palhaço Cachaça

"Eres burro?Fanho no es mudo"

Clayton

"É tudo igual,mudo,fanho,deficiente essas porras
são as mesmas coisas."

Palhaço Cachaça analisa bem..

"Tu tens razão"

Ramirez

"Entonces...nisso YO e Cachaça correremos
e entraremos en la CasaBlanca...claro depois
de se benzer e pedir ayuda a Nostra Senhora"

Cachaça

"Ninguma Objeção"

Ramirez

"Segundo Juan,existem duas bases subterraneas en la casablanca
com agentes de F.B.I,A primeira fica a 8 metros a esquerda da
Casa,e la outra a 12 metros a direita de la casa.
Entonces,Yo e Cachaça lançaremos grandas incriveis nesses lugares.
Assim los malditos vão ficar soterrados e no devem atraplhar
nosotros.
Após isso,Clayton lançará una forte bomba com um gás rarissimo
que após 20 segundos no ar,todos em uma distancia de 5 K.M
irão desmaiar...Isso por trás de la Casablanca."

Clayton

"Caralho,esse Juan é Jenial..merece até um novo funk excrusivo
Ele é deficiente filho da puta
mas mesmo assim o cara é truta
comcerteza ele é maneirão
da tiro nos Poliça que é tudo viadããão!"

Ramirez

"Certamente alguns soldados já preparados devem colocar
mascarás,inclusive uma em W.C Bush,entonces Yo e Cachaça
com mascaras tambien entraremos pela frente e seguiremos
a Bush,os soldados estarão confusos e no poderan nos incomodar
tanto!!AHAHAHAHA!! ASSIM MUDAREMOS EL IDIOMA DESTA PORRA!!!"

Leitor(1):

"Porra,esse capitulo foi uma merda,nem teve muito palavrão
nem uma imagenzinha de mulher nua e tu quer qeu eu continue lendo?"

Bruno

"Pessoal,acalmem-se esse capítulo foi só para explicar o plano
do Juan bem detalhadamente,o próximo deve ser melhor,e o Ultimo
Ou penultimo...Só sei que essa porra está acabando."

terça-feira, 2 de outubro de 2007

O Sonho de um Mexicano
Capítulo Nove: Um novo companheiro!


Ramirez não acha o cheiro de americano naquele ar
só sente um cheirinho de presunto queimado que o agrada

"Las palavras,falta de cheiro de americano....
este hombre...no es americano."

Então no momento que o homem vestido de palhaço
maquiado igual um palhaço e que é um palhaço lambe
a lamina da faca,sua lingua começa a sangrar.
Ele diz com furia.

"PORRA,TODA LAS VEZES QUE YO TENTO FAZER ESSA ABERTURA
IGUAL DESENHO DE AMARELO EU ERRO,NÃO SINTO A PORRA DA DOR
E NUM DEJA EU HABLAR DIRETO"

Clayton fica impressionado com o homem,ele realmente
não parecia sentir dor mesmo com dificuldades a falar.

O Homem vestido de palhaço e maquiado igual um palhaço que
é um palhaço vê a surpresa de Clayton
"Tá,Tá...cacete...eu não sinto dor,tenho SÍNDROME DE RILEY-DAY
MALDITA DOENÇA!!!!"

Ramirez pergunta para o palhaço mau-humorado o que diabos
é essa doença.
"Hermano,o que és eso?Que mierda de doença es?"

O Palhaço olha para o chão,chuta uma pequena latinha
"Eu não szinto dror."

Ramirez
"Hã?"

O homem maquiado como um palhaço e vestido igual um palhaço
diz novamente
"Eu nun sinzo zor"

Ramirez calmamente pergunta novamente para o palhaço sem dente
"Podes repetir?"

"Yo NÃO SINTO DOR CARALHO!Mas não percebeu que eu
zo com la lingua enchada porra??"
Diz o palhaço furioso

Ramirez educadamente se desculpa
"Perdon,tu querias hablar com nosostros?Porque nos parou?"

O Homem vestido de palhaço com maquiagem de palhaço e
que é um palhaço responde:
"Yo ouvi tu hablar de George W.C Bush,e quiero esquarteja-lo
proporcionar um pouco de dor a elle,pero es dificil
chegar a casabranca preciszo de ajuda...
posso unir-te a teu grupo?"

Ramirez
"Claro,vamos lá hermano."

O Palhaço surpreso
"Simples assim?"

Clayton
"Simpres.como um potássio de sódio"

Palhaço
"No me apresentei soy palhaço Cachaça."

Clayton mostra educação
"FODA-SE FILHO DA PUTA NINGUÉM TE PERGUNTOU"

Então,todos sobem em um velho carro que Palhaço
Cachaça diz ser dele e começam a BATALHA FINAL!
RUMO A CASABRANCA DE VEZ,SEM PARADAS NO CAMINHO.

PS:Palhaço Cachaça,Palhaço e Homem que se
veste igual palhaço e com maquiagem de palhaço
são as mesmas pessoas,seu burro.

Ps²:Para tristeza de vocês,apartir de hoje
começa a rotina de dois capítulos por semana.

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

O Sonho de um Mexicano
Capitulo Oito: O Palhaço Cachaça.


Enquanto tiros e explosões seguiam um
ritmo musical na luta do sonho de Ramirez.
Alguem observava todos acontecimentos de forma calma
e levemente alegre,usava roupa e maquiagem de
palhaço,quem olhava de longe dizia que era um
palhaço....quem olhava de perto também.
Bebia uma garrafa de qualquer cachaça brasileira
e comentava sobre a batalha da Policia contra
o bando liderado por Ramirez.

"Va Hermano,felicidad,tiro na policia"

O Palhaço vê Ramirez e Clayton atraz de um
carro fugindo da policia,fica descontente pelo
Mexicano aparentemente ter fugido

"Oh,Yo pensando en uno futuro decente
para Mexico(Mérrico),solomente um bundão"

Então Ramirez taca a granada feita por Juan
A força da explosão é tanta
que Ramirez e Clayton tem que se defender
para ficarem vivos e fugirem dos destroços
de humanos,carros e etc que voavam em todas
as direções.

O Palhaço olha com alegria e diz a si mesmo

"HAHAHAA,Que bueno,tu me enganastes hermano!"

Nenhum Policial ficou vivo,Ramirez estava
surpreso com a capacidade de Juan.

"MI DIOS,eso es uno Liquidificador!!"

Clayton não entende e diz
"Caralho,se eu tenho uma dessa no Comprexo
eu domino!"

Juan ouve e vai até Ramirez com um papel
ele ainda está sangrando e o papel fica um
pouco manchado,mas está claramente visivel
a escrita de uma frase

"Entonces,Gostastes?"

Ramirez
"Es Magico,Es Jenial!"

Clayton
"Cara,cum isso nós pode até mudar
o idioma da China pra Japones!"

Ramirez mostra sua inteligencia
"Hmm,Pensaba que en China se hablava Japones"

Clayton mostra sabedoria
"Num importa é tudo igual,Chines,Coreano,Japones"

A Equipe está cheia de confiança,agora eles
tem 2 ótimos psicopatas competentes e 1 gênio.
Juan está com dificuldades para andar e ainda ensaguentado
Clayton mostra sua preocupação

"Para de Viadagem,bora logo porra!"

Ramirez avisa a mudança do percurso
"Clayton,mi amigo tu no sabes ainda,pero
vamos tomar uno caminho diferente desta vez."

Clayton
"Caminho diferente?"

Ramirez
"Si,voy mudar o idioma deste país na marra
voy obrigar George W.C Bush a assinar qualquer porra
que declare oficialmente el ESPANHOL o idioma oficial daqui"

Clayton
"É nóis!"

Juan
"Rumo a CasaBlanca!"

Ramirez
"Mas você é mudo"

Juan
"Ah é,esqueçi!"

Derrepente chega o tal palhaço e interrompe
a conversa do grupo.

"Yo ouvi George W.C Bush?"
*Lambe a Lamina de uma faca*

sábado, 15 de setembro de 2007

Atenção
Aguardem,Histórias Idiotas do Bruno terá 2 capítulos por semana.
Eu sei que ninguém tá nem aí mas eu quero assim e pronto.
Apartir de Outubro.

domingo, 26 de agosto de 2007

O Sonho de um Mexicano.
Capítulo Sete: Juan...Morto?


Em meio a fumaça,sirenes e gritos em inglês
Estava a amizade de dois grandes homens
Ramirez e Juan,O Mexicano fica desesperado
vendo Juan caido ensanguentado,não consegue
acreditar naquilo,tanto que nem percebe que
está com um corte de 10 cm. na barriga.

Ramirez corre até Juan e o leva para um beco...
um beco sem saida,ele carrega seu amigo para atrás
das lixeiras do beco,lixeiras entupidas,que poderiam
matar a fome de qualquer criança na Africa.
Juan está totalmente desacordado,seus lindos cabelos
cobriam parte de seu rosto ensanguentado,Ramirez
tenta anima-lo.

"Juan...Juan...Habla comigo Juan....
quero dizer....no habla comigo Juan...
digo...Si,Habla comigo....no,no....
PORRA manifeste-se Juan!!!"

Quando as lindas palavras mágicas (PORRA)
foram soltas,Juan tosse um pouco de sangue e
parece estar vivo.

"Gracias Dios mio,Juan esta vivo"

Juan olha com felicidade dentro dos olhos
de Ramirez,O Mexicano mostra um leve sorriso
se fosse um filme gay já tinha rolado beijo a
tempos.

"Juan,agora sem viadagem,tenemos que acabar
com elles,descanse aqui,voy eliminar algunos"

Ramirez carrega sua Arma e começa a correr
enquanto anuncia algo a Juan.

"Ah,no se esqueça,mi sueño tomara
um caminho diferente,yo voy mudar
o Idioma deste país NA MARRA...
Mudaremos el destino,nadie de consulado...
iremos a Casablanca e dominaremos este
país,o idioma ira simbolizar que o maior pais
do mundo foi dominado por nós"

Juan pega um pedaço de papel sujo do chão
e com uma caneta,escreve

"Mas... o maior é a Russia"

Ramirez então sorri e diz
"Foda-se"

Juan faz uma velha Pose "Nice
Guy" estica o polegar e mostra o
brilho dos seus dentes.

Ramirez sai do beco e se esconde atrás
de um carro velho qualquer.
Assiste (Comendo pipoca) Clayton tendo
trabalho para acabar com os policias.
Clayton atira enquanto corre para trás,não
tirando os alvos da cabeça,demonstrando habilidade.
Clayton se joga no chão e consegue chegar ao carro

"Coé Ramirez,eu lá morreno e tu comendo pipoca?"

Ramirez
"Perdon"

Clayton pergunta.
"É doce?"

Ramirez responde
"No...es salgada...mas tem Bacon"

Clayton mostra-se interessado
"Sempre gostei de Bacon,num tem pobrema não
eu como também,dá um pouco aqui"

Clayton enche a mão com pipoca e come um pouco.

"Agora voltano au assunto,arrente tem que mata-los!"

Ramirez confirma a chassina totalmente
"O Cheiro deles...são todos americanos"

Clayton parece sentir o cheiro
"É de Gurdura misturado cum creme de cabelo?"

Ramirez fica surpreso,mais alguem tem a mesma
habilidade.

"Si,Eso mesmo!!!!,nucna vi una nacion toda
ter o mesmo cheiro,que estranho esse aroma conjunto"

Ramirez e Clayton conversam no lugar certo,na hora certa
Quando derrepente algo é jogado no lugar onde eles conversam.

É um papel branco com algo dentro.
Ramirez lentamente abre o papel e ve uma mensagem
"PRESENTE DE JUAN"
E a surpresa agradavel é uma banana de dinamite
era o que estava dentro do papel,uma amavel dinamite.
agora eles podem acabar com os americanos mais rápido
a dinamite criada por Juan parece ter um poder de destruição
a nivel psicopata.

Clayton olha para os olhos de Ramirez e diz
como os bananas de pijama..

"Pensou no que pensei Ramirez?"

É respondido:
"Yo acho que si Clayton"

AMBOS:
"É HORA DE EXPLODIR AMERICANOS"

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

O Sonho de um Mexicano:
Capitulo seis,"A Reação de Ramirez"


Ramirez fica momentaneamente mudo,
sua face não expressa nada
Juan está na moto preocupado e observa com medo
de Ramirez explodir em furia,aliás ele tem um concorrente
para seu maior sonho.

O Motoqueiro mudo não acha solução e quer lembrar Ramirez
que por maior concorrente,Clayton não é um americano.
Então Juan pensa em gritar,mas lembra que é mudo e não tem
vaga para mudos nos jogos para-panamericanos.

Juan se conforma,poe o capacete e começa a chorar,pensa que
ao contrário do seu Pai Tonis Devil que só tinha uma perna
um braço,era surdo,mudo,cego e mesmo assim foi heptacampeão
de todas as provas de uma mesma olimpiada,Juan era
só um ajudante de psicopata qualquer.

Ramirez olha fixamente,mostrando o velho olhar
de lobo para Clayton e então diz ao afro-brasileiro:

"Aceita el português como segundo idioma dos E.U.A?"

Clayton responde rapidamente.

"Segundo pos que?"

Ramirez tenta explicar que seu sonho é o mesmo.

"Es que Yo,tambiem tengo este sueño,tambiem quero
mudar el idioma dos E.U.A ,mas yo
quero mudar de Inglês para Espanhol,compreende?"

Clayton olha com espanto o sentimento bondoso de Ramirez
e pronuncia o rico português:

"Porra maluco,desde que eu comi a Creuza,nunca vi
algo tão bunito,você mermo teno o mermo objetivo que
eu tu aceita essa parceria,eu só não to emocionado
por quê num sou viado..."

Clayton é interrompido por Ramirez

"Entonces,aceita?"

Agora com uma expressão mais "Domingão de sol" Clayton
confirma a parceria

"Mais é craro,sem pobrema,o espanhol vai ser o
1° idioma dos Istado Sumido e o português vai sê o
segundo,é nóis,demorô mermão,eu Crayto concordo
e apoio,acho o espanhol um idioma bunito,merece
é nois,é nois!"

Então os 3 voltam a moto e cantam Mercedes Sosa no caminho
ao consulado.
Por horas ambos festejam e o timido Juan apenas sorri.

Clayton tenta incentivar Juan
"Coé branquelo,conta um piada aí também"

"Elle es mudo,no pode hablar"Interrompe Ramirez

Clayton Conclui

"Deficiente filho da puta hahahaahahahahaa"

Juan fica envergonhado,mas tenta esqueçer
lembra que ali só tem pessoas boas com bom coração
e boas intenções.

Entretanto,derrepente a paz da viagem é pertubada

*Baruuuuuum*

É uma forte explosão,a moto voa graças ao incidente
as rodas saem e a lataria velha não resiste.
Os tripulantes são lançados ao chão
Juan caiu de cabeça no chão e desmaia,Ramirez e Clayton
levantam do chão com as roupas escuras e com cheiro forte
de polvora,a visão ainda está embaçada,ambos estão
sangrando,porém lucidos e firmes.

Enquanto seus olhos parecem aceitar a realidade
Um vuto de alguem com roupa azul é enchergado por Clayton
O Brasileiro então cospe no chão,pega a arma emprestada por
Ramirez e avisa.

"Companheiros,temos pobrema...os verme chegô!"

sexta-feira, 3 de agosto de 2007

O Sonho de um Mexicano:
Capítulo Cinco, "I AM Crayton"


Então estava lá o destino do homem,sendo talvez
sepultado por suas ultimas palavras,ele não
tentou rezar pela vida,não tentou pedir piedade,
mas não encorajou Ramirez a atirar,só foi neutro
como se aquilo fosse normal,como pegar uma moeda
que caiu no chão.

Ramirez fica impaciente,sua falta de reconheçimento
contribuem com o nervosismo e as horas daquele homem
na terra encurtavam a cada respiração de um tenso Ramirez
Entretanto o homem pelo jeito começa a dizer,seus musculos
faciais movendo deixam Ramirez Acalmado,e a seguinte frase
é solta pelo homem de cor de pele e cabelos escuros:

"Aê,mermão,qué limpa meu ouvido?se não,tira isso daí"

Depois da frase os olhos de Ramirez soltam pra fora de
tanto espanto,o ar de seu rosto poderia ser resumido
em Surpresa,Ramirez deixa a arma cair no chão,e se
afasta,O Mexicano agora olha para o outro homem
com admiração,agora é a felicidade que transborda de
Ramirez,ele sente e diz a si mesmo.

"Escutei esse idioma,es portugues,es,es latim
es uno hermano,este hombre es uno hermano!
este hombre es uno ser superior"

Então Ramirez é observado com o mesmo olhar
calmo de sempre pelo ser que dominava o português
ele faz algumas perguntas,aparentemente sem sentido
a Ramirez.

"Aê do bigodim,na minha area se limpava os ovido
cum cudunete,tem metodo moderno agora?parece uma pistola
mas limpa ouvido essa porra?Eu me lembro que dei
uma igual ao meu subrinho,lá nu comprexo da maré
ele tava começano,sabe?Compreto três anu,arrente tem
que dar uma força,pra nun se perde na vida,mas
ela servia pá matá,por acaso isso daí era pra mi matá?"

Ramirez logo pega sua arma e pede desculpa ao homem
"Hey,hermano,por Dios,perdoa-me,eso no era mi intencion,
yo no desconfiava que tu no es Americano,realmiente
perdon,o que posso hacer para ajudar-te?"

O Afro-Brasileiro então acha a situação estranha
e acha que Ramirez é realmente maluco,um ser
normal como aquele homem não podia entendr o que
passava pela cabeça de Ramirez.

"Aê irmão,tu tem algum pobrema é?tu é
estranhão,rapá,mas pelo jeito tu é
rrente boa,é dos mano que topa,aê
já que você se preusupos a ajudar,tu
vai me seguir nuns prano que eu to tendo..."

Ramirez interrompe o homem e diz
"Perdon novamente,pero no podemos
ficar aqui,daqui a pouco a policia chega
tem una moto muy grande com uno amigo,cabe
nós 3 sem duvidas,quieres ir conosco
e no caminho conta tu desejo?"

Então sem pausas,Ramirez é respondido

"Sim,será interessante,prazê,
meu nome é Creito, C-L-A-Y-T-O-N
creito"

Ramirez responde rápido

"Yo soy Ramirez,sigue me os bons"

Chegando lá Clayton é apresentado a Juan
e a loira que anteriormente o mudo tinha
pego foi morta atropelada Acidentalmente
não tão acidentalmente assim.
No caminho ao consulado Ramirez e Clayton
se introsam como velhos parceiros,Claton
conta de sua dura vida em uma favela no Brasil
e o assunto do favor que Ramirez faria a
Clayton foi esqueçido.

Juan estranha,nunca pensou que Ramirez
fosse tão boa gente com alguem,mesmo não
sendo Americano,ele nunca tinha visto o seu parceiro
por tanto tempo de bom humor e sendo pacifico assim.
Juan avisa a Ramirez para não esqueçer seus reais objetivos

"Ramirez,não podemos esqueçer nossas metas,pra
que viemos para cá"

Ramirez então responde a Juan
"Aprende a falar porra"

Juan fica queto sabe-se lá
o porquê.

Então em meio a viagem a chuva cai e relembra
Clayton que a conclusão do seu objetivo era sem acompanhantes
Clayton interrompe a viagem educadamente

"Para essa porra aí,mudo filho da puta"

E se despede de Ramirez.
Os olhos do Mexicano ainda estão alegres
é bom saber que existe gente boa no mundo
como Clayton..Então Ramirez re-lembra do favor
que estava devendo e questiona Clayton,querendo
saber o que podia fazer

Clayton caminha e responde de longe

"Esqueçe,o do bigode,arrente tamo quite
eu tenho que concruir meu objetivo,meu sonho
nessa terra filha da puta"

Ramirez fica curioso e pergunta a seu amigo
partindo

"Hey hombre,talvez poso ajudar você
a concluir tu sueño,por quê no?
Diga qual es tu sueño?"

Cleyton sorri levemente com seus dentes
amarelados e responde

"Eu quero que o português seja
o idioma oficial dessa merda aqui..."

sábado, 28 de julho de 2007

O Sonho de um mexicano
Capítulo Quatro: Duvidas no meio do Show


Uma tragada... é o que Ramirez fez. Logo ele
avançou empurrando a porta de vidro do Mac Donald's.
O lugar estava vazio, ele só viu um homem negro com trajes
porcos e duas “patricinhas” comendo batatas segurando seus
celulares rosas próximos à cabeça.

Ramirez caminhou em direção ao Caixa pensando de que forma
mataria o atendente. Ele queria testar a mira
e concordou consigo mesmo em um tiro a distância...

Entretanto
sua mente pesa, ele ainda não sabia se o garoto do caixa era
americano, não tinha certeza... e matar um não americano era imperdoável.
Então, como bom católico, Ramirez preferiu
não julgar, perguntando sobre a comida servida no local.

"Hey,hermano...tienes uacamole?"

O atendente olhou com desprezo, enquanto lixava as unhas.
E respondeu com sua voz fina:
"Não senhor, só vendemos Fast Food, deseja mais alguma coisa?"

Ramirez preparou sua arma, era americano, sem sotaque,
com arrogância, inglês perfeito...Menos um....
Ramirez ficou tão alegre com a confirmação da nacionalidade
daquele ser, que cantou mais uma vez outra canção:

"Maradona chera, Ligeirinho corre,
garoto do balcão é o próximo que MORRE!”

*BANG*

O tiro fez tanto estrago, que a nem arcada dentaria
sobrou para contar o resto da história.

Todos no local ouviram o tiro. Os funcionários correram.
Ramirez mandou chumbo no pé de todos, que caíram gemendo no chãogritando "HELP" sem parar.
Mas Ramirez ia
deixá-los para outra hora, agora queria matar aquelas “patricinhas”.

Algo veio na mente do Homem Mexicano, uma confirmação total
de que aquelas “patricinhas” eram americanas, o cheiro.
Ramirez tinha um olfato perfeito e sentia o cheiro de americanos
mas infelizmente esse olfato nem sempre funcionava.

As moças subiram para o segundo andar,
tentaram fugir ocultando sua presença, mas Ramirez
sentiu o cheiro daquelas moças impuras americanas.
Ele subiu a escada; ouve gemidos
e pequenos gritos de medo.

Mas dessa vez não seria o bom e velho revólver de Ramirez
que faria o estrago, seria um facão que guardava no bolso secreto de sua calça.
Ele viu uma das meninas tentando correr,
Ramirez então pulou esticando as mãos num ataque frontal
a lâmina buscou sangue, a menina correu pela vida.

Ela conseguiu sair ilesa desse golpe, mas Ramirez não
desistiu: ele lançou a faca em sua direção e converte
é Goooooooo!!!!!!!!!! Mais uma morte por Ramirez; na testa da ex-garota.
A faca cravou-se perfeitamente atravessando aquela pequena cabeça.

Enquanto isso, lá fora, Juan comia alguma comida típica do
México capaz de destruir a língua; ele parecia bem acostumado, mas a
calmaria de seu lanche foi perturbada pelo barulhos de salto
alto batendo no chão... era uma das “patricinhas” fugindo de Ramirez.

Juan imaginou que se ela conseguiu fugir, Ramirez não conseguira
matá-la, então resolveu prendê-la para o amigo.

Juan usou golpes de Karatê Kyokushin, aplicando um soco
com a mão levemente aberta na testa da garota, fazendo-a desmaia
Então Juan cospe no chão e diz:
“aaaaaa eeeeh aiiiieeeeeex"

Que seria algo como:
"Isso é por tentar fugir de Ramirez"

E lá dentro estava Ramirez; ele retirou a faca com sangue
de testa de “patricinha” americana e a guardou
novamente, preparando seu Revólver... É a vez dos funcionários.

Ramirez foi até seu encontro pensando de que forma
criativa os mataria.
Depois de um tempo ele concorda
que não havia nenhuma idéia brilhante em sua genial mente.

Os 3 funcionário estavam no chão gritando "Help", Ramirez
os livra do Inglês calando a boca deles para sempre
de forma simples e convencional, com tiros na cabeça.

Depois de matar 3 funcionários Ramirez pensou um pouco
ele ficou decepcionado devido à decadência de sua criatividade.
Coçou a cabeça e questionando a si mesmo:

“Não estou reconhecendo Americanos pelo cheiro, estou
sem criatividade... e agora???”.

terça-feira, 24 de julho de 2007

O Sonho de um Mexicano
Capitulo três, Era uma vez o Mac Donald's(1)


Juan freia a moto, o pneu canta e a moto para!
Se fosse um piloto qualquer, tal manobra não
seria concluída com sucesso.
O mudo fica assustado, mas não pode perguntar o que
havia, pois Juan é mudo...

Ramirez tirou o
capacete e olhou alegremente para uma filial gordurosa do Mac Donald.
Ele vê ali uma chance de destruir parte da cultura dos malditos
gordos americanos.
Não deixaria essa chance passar em branco.

Tamanha felicidade foi transmitidas em palavras para Juan.

"Juan, estoy perto de matar alguns americanos e destruir um pouco
desta maldita cultura... haahahahahahhaaahh, es lindo, es lindo!"

O Sorriso de Ramirez era indisfarçável, seus olhar era
de fúria e felicidade, parecia um louco que conseguia um sorvete
de picles depois de esfaquear o próprio animal de estimação .

A possibilidade de destruir o Mac Donalds era maravilhosa para
Ramirez.
Ele não perdeu mais tempo, pegou um revólver e deu outro a Juan.

Ramirez viu um Policial, e achou que se o matasse agora, teria
menos chances de ser surpreendido lá dentro.
Ele canta a canção alegremente chamada Assassinato de Americanos, Opus 14 de Joham Sebastian Juanito.

"Americanos yo voy matar, eso es tan feliz
dou tiro no pé,na cintura, en la mão, na bunda ou no Nariz
yo quero mirar mucho sangue, Juan es con tu mi aprendiz".
( Nessa parte da canção seria Juan que cantaria,porém
ele é mudo e não consegue cantar...Mas tenta: )

"hmmmm aaaaaabaaaaa hmmmmmmm aaaaeeeeeee
seeeeeeeee zaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa aaaaaaaa
oooooooooooooooooooooo eeeeeeeeeeeeeeeeeee"

Logo depois da canção
Ramirez executa perfeitamente o tiro. O policial
é liquidado e cai no cão sem 67% de sua cabeça.
A massa cinzenta saltando do buraco é vista em câmera lenta
pelos olhos de Ramirez.

Ele então se preparou para matar mais americanos
e entrar no Mac Donald; continuar insana e doce chacina.
Sua mente e seu corpo num nirvana em junções diziam:

“MATAR AMERICANOS, MATAR AMERICANOS, MATAR AMERICANOS!"

Por mais que o caminho de seu sonho atual
fosse pacífico, ele não abria mão de matar americanos, pois
pra Ramirez isso é sempre edificante,
porque os mesmos sentiam prazer ao disparar numa indefesa criança afegã.

Como na lei da selva del México...


Essa matança para Ramirez era como um
hobby saudável, esporte de fim de semana, essas coisas...

Os americanos aos olhos de Ramirez eram sujos,
impuros, enfim, demônios que só atrapalhavam o desenvolvimento do México.
Matá-los era sempre bom para Ramirez, uma questão de
"limpeza espiritual".

Ramirez, viu outros policiais por perto
e os matou sem ao menos perceberem,
na cabeça, rapidamente como um sutil ninja mexicano.

A rua em que ficava o Mac Donald estava vazia, só tinha alguns
policiais por perto e todos mortos, parecia que tudo
conspirava a favor de Ramirez, havia umas 5 pessoas dentro
do estabelecimento.

A arma de Ramirez era misteriosamente silenciosa.
Os policiais morreram sob um silêncio angelical.
A arma que o acompanha nessa jornada era todo pessoal
parecia uma velha pistola de cano longo e prateada
o destaque ficava com o "México ou muerte"
que gravada no cano da arma esverdeada.

Ramirez guardou seu peculiar armamento e avançou para entrada do Mac Donald's.
Ele conseguiu se acalmar,
sabia que mostrar muita fúria podia atrapalhar amada missão
e Ramirez não queria a policia no seu pé.

O estado de calma era assustador, parecia ser outra pessoa
devido a sua incrível concentração.
Por último, ele acendeu um cigarro e disse a si mesmo

"La accion começou"

segunda-feira, 23 de julho de 2007

O Sonho de um Mexicano
Capitulo Dois:Construtores de sonhos,Juan


Texas, E.U. A

Ramirez caminhou para fora do bar e guardou sua arma.

"Yo odeio la Porra de USA, de la cultura de USA, maldicion
de American Way of Life. E até para odiar o caralho desse país
tengo que hablar Inglês! Realmiente una mierda".

Depois de tanto resmungar, um sorriso finalmente apareceu no seu rosto.
Viu Juan a distância de dez metros.
Juan que era seu melhor amigo e ajudante
para a conclusão de um sonho em especial.
Ramirez vai até seu amigo e o comprimenta como bons companheiros

"Juan, és hoje, nuestro sueño sera realizado, preparado?

Juan é mudo e não responde.
"..."

Ramirez tem um grande sonho que ainda não realizou:
ele quer que o Espanhol seja o idioma oficial dos EUA.
Para isso, conta com Juan, o grande e fiel companheiro.

O mudo observou com muita atenção a idéia e concordou com tudo.
Juan nunca dava uma opinião.
Acredita-se que era pelo fato do mesmo ser mudo.

Ele tinha a pele branca,
rosto afilado, cabelo liso, nem parecia Mexicano.
Na verdade ele não era Mexicano
mas a forma que Ramirez identificava um Americano era pelo idioma,
contudo Juan era mudo, assim poupado pelo seu amigo.

A dupla não queria saber de conversa. pegaram uma velha moto
e embarcaram de vez em sua aventura rumo ao Consulado do México.
Acham que lá poderiam convencer mais gente a mudar de opinião
em relação a troca de idioma oficial dos E.U.A
do inglês para o Espanhol.

Por incrível que pareça, Ramirez queria realizar isso pacificamente,
e não matando as pessoas (pelo menos não pretendia) do consulado,
só queria mostrar seus ideais, tentar convencê-los de que o seu sonho era brilhante.


Ramirez acharia difícil matar todos americanos e mudar o idioma na marra
pois, eram muitos americanos e todos muito gordos, logo muita
banha obrigaria o mesmo a usar muito mais balas, então ele
teria de ir pelo modo Pacífico.
Ramirez mostrava leve descontentamento por usufruir da paz nessa jornada.

...

Juan era quem pilotava a motocicleta.
Rapidamente, driblava carros, ônibus
e outras motos em uma incrível demonstração
de habilidade. Era incrível a velocidade com tanta perspicácia no trânsito.
Juan acelerou e foi rumo ao destino combinado...

PORÉM,
na garupa os olhos de Ramirez esbugalharam; o olhar da euforia de Ramirez é
percebidos de longe e da sua boca sai um longo grito:

"JUAN, PARE ESO AGORAA!!!"

O Sonho de um Mexicano
Capitulo um,Ramirez o Sonhador


Texas, Estados Unidos
Estatura mediana, magro, olhos castanhos, pele na cor latina
e um bigode clássico, assim era Ramirez.

O sol forte invadiu o velho e sujo bar "Muchachos de La Muerte".
A poeira parecia fazer parte do lugar. Tudo caindo aos pedaços,
freqüentados apenas por Mexicanos e outros tipos de
imigrantes ilegais.

A pequena porta de madeira do bar foi empurrada de repente
por um homem com barba mal feita, roupas sujas
e um fedor insuportável... era apenas mais um bêbado.
Todos no lugar ignoraram sua chegada.

Em seguida, o estranho homem foi de mesa em mesa pedir dinheiro ou bebida
Um ou outro devolveu o pedido com socos, pontapés...
A maioria só ignorou o mentecapto bêbado.

Então, o sujo homem chegou aonde não deveria.
A mesa de Ramirez, O Mexicano..

Ramirez, com a força latina,
tinha olhos de quem buscava sangue.
Sem dúvidas ali aquele bêbado compraria o passaporte
de primeira classe para o inferno... naquela simples mesa.

O visto seria dado pelo cano da arma de Ramirez ;
a viagem seria feita pelo apertar singelo do gatilho.

O Bêbado senta ao lado do mexicano
e lhe dirige a palavra.

"Hey, guy! Vamos distruir nossos rins, figados e derivados!
Vamos beber... beber por que estamos vivos,
coloque um pouco desse nectar alcólico no meu copo.
Vamos beber senhor mexicano bigodudo... haaa!”

Ramirez olhou bem dentro dos olhos dele e disse:

"No se acostume."

e colocou um pouco da bebida engarrafada
que estava em cima da mesa no copo do ébrio homem.
Ramirez nunca tinha visto aquele rosto antes, porém
puxou assunto sem mostrar suas reais intenções:

"Hombre,sabia que yo tengo el poder de realizar mi sueños?"

O Bêbado olha estranho,com ar de deboche responde ironicamente

"Eu também tenho um, mas o meu poder é de ler mentes
isso é normal por aqui, hahahhahaahhahahahahhahaha eu estou de fucker chicanito!"

Ramirez olhou para o chão com ar de tranqüilidade,
apreciando as últimas horas daquele homem.
Sorrindo levemente, disse ao pinguço:

"Si, si tengo uno poder; tengo o poder de realizar suemos. Yo miro uno
objetivo como um sueño, e magicamente realizo..."

O Homem embriagado novamente dirigiu-lhe um olhar de desprezo ,
achou que Ramirez está blefando por causa do álcool.
Em meio às gargalhadas, diz:

“Então tá, me diga um sonho que você quer realizar e vejamos
se ele é realizado... A minha vida é a garantia... hahahahhahahhahahaha!"

Ramirez então sorri, e diz lentamente ao bêbado:

"Mi. Sueño... és.... tu....MUERTE!!!"

O Bêbado cuspiu a tudo que com o susto
e mostrou a face desesperada, pedindo piedade.
Ele observou que Ramirez carregava consigo uma arma.
Desesperado e gaguejando pediu clemência a Ramirez:

"Espera,amigo, não, calma, ca-ca-calma aí! NÃO atira..!NÃ0!"
e corre com esperanças de fugir....

#BANG, BANG, BANG#

E lá estava no chão morto, um ex-bêbado....

O Dono do bar pôs a cabeça no balcão e lamentou.
Mais uma vez, terá que tirar um corpo. A rotina de coveiro
não agradava o dono do bar.

"Hombre, todo dia eso? Cabron qual la desculpa agora Ramirez?"

Ramirez, então, colocou os óculos escuros, acendeu um cigarro deu um leve sorriso:

"El hombre apostou la vida delle, solamente eso..." =)


E esse é Ramirez, um Mexicano que tem um sonho.

sexta-feira, 20 de julho de 2007

Bem vindo ao mais novo endereço do Histórias Idiotas do Bruno.
Problemas acabaram,totalmente.

Sem problema de Fonte,Endereço ou o diabo a quatro.

Não nos perca de vista e adicione esse humilde blog aos favoritos...
ou morra.

Aqui eu contarei histórias bem idiotas,bem toscas,realmente horríveis
Tudo em Capítulos.

E não se esqueça de visitar o blog com o melhor conto da atualidade.

Carne Humana...Visite

http://www.peri-doalem.blogspot.com

http://www.peri-doalem.blogspot.com