.

domingo, 26 de agosto de 2007

O Sonho de um Mexicano.
Capítulo Sete: Juan...Morto?


Em meio a fumaça,sirenes e gritos em inglês
Estava a amizade de dois grandes homens
Ramirez e Juan,O Mexicano fica desesperado
vendo Juan caido ensanguentado,não consegue
acreditar naquilo,tanto que nem percebe que
está com um corte de 10 cm. na barriga.

Ramirez corre até Juan e o leva para um beco...
um beco sem saida,ele carrega seu amigo para atrás
das lixeiras do beco,lixeiras entupidas,que poderiam
matar a fome de qualquer criança na Africa.
Juan está totalmente desacordado,seus lindos cabelos
cobriam parte de seu rosto ensanguentado,Ramirez
tenta anima-lo.

"Juan...Juan...Habla comigo Juan....
quero dizer....no habla comigo Juan...
digo...Si,Habla comigo....no,no....
PORRA manifeste-se Juan!!!"

Quando as lindas palavras mágicas (PORRA)
foram soltas,Juan tosse um pouco de sangue e
parece estar vivo.

"Gracias Dios mio,Juan esta vivo"

Juan olha com felicidade dentro dos olhos
de Ramirez,O Mexicano mostra um leve sorriso
se fosse um filme gay já tinha rolado beijo a
tempos.

"Juan,agora sem viadagem,tenemos que acabar
com elles,descanse aqui,voy eliminar algunos"

Ramirez carrega sua Arma e começa a correr
enquanto anuncia algo a Juan.

"Ah,no se esqueça,mi sueño tomara
um caminho diferente,yo voy mudar
o Idioma deste país NA MARRA...
Mudaremos el destino,nadie de consulado...
iremos a Casablanca e dominaremos este
país,o idioma ira simbolizar que o maior pais
do mundo foi dominado por nós"

Juan pega um pedaço de papel sujo do chão
e com uma caneta,escreve

"Mas... o maior é a Russia"

Ramirez então sorri e diz
"Foda-se"

Juan faz uma velha Pose "Nice
Guy" estica o polegar e mostra o
brilho dos seus dentes.

Ramirez sai do beco e se esconde atrás
de um carro velho qualquer.
Assiste (Comendo pipoca) Clayton tendo
trabalho para acabar com os policias.
Clayton atira enquanto corre para trás,não
tirando os alvos da cabeça,demonstrando habilidade.
Clayton se joga no chão e consegue chegar ao carro

"Coé Ramirez,eu lá morreno e tu comendo pipoca?"

Ramirez
"Perdon"

Clayton pergunta.
"É doce?"

Ramirez responde
"No...es salgada...mas tem Bacon"

Clayton mostra-se interessado
"Sempre gostei de Bacon,num tem pobrema não
eu como também,dá um pouco aqui"

Clayton enche a mão com pipoca e come um pouco.

"Agora voltano au assunto,arrente tem que mata-los!"

Ramirez confirma a chassina totalmente
"O Cheiro deles...são todos americanos"

Clayton parece sentir o cheiro
"É de Gurdura misturado cum creme de cabelo?"

Ramirez fica surpreso,mais alguem tem a mesma
habilidade.

"Si,Eso mesmo!!!!,nucna vi una nacion toda
ter o mesmo cheiro,que estranho esse aroma conjunto"

Ramirez e Clayton conversam no lugar certo,na hora certa
Quando derrepente algo é jogado no lugar onde eles conversam.

É um papel branco com algo dentro.
Ramirez lentamente abre o papel e ve uma mensagem
"PRESENTE DE JUAN"
E a surpresa agradavel é uma banana de dinamite
era o que estava dentro do papel,uma amavel dinamite.
agora eles podem acabar com os americanos mais rápido
a dinamite criada por Juan parece ter um poder de destruição
a nivel psicopata.

Clayton olha para os olhos de Ramirez e diz
como os bananas de pijama..

"Pensou no que pensei Ramirez?"

É respondido:
"Yo acho que si Clayton"

AMBOS:
"É HORA DE EXPLODIR AMERICANOS"

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

O Sonho de um Mexicano:
Capitulo seis,"A Reação de Ramirez"


Ramirez fica momentaneamente mudo,
sua face não expressa nada
Juan está na moto preocupado e observa com medo
de Ramirez explodir em furia,aliás ele tem um concorrente
para seu maior sonho.

O Motoqueiro mudo não acha solução e quer lembrar Ramirez
que por maior concorrente,Clayton não é um americano.
Então Juan pensa em gritar,mas lembra que é mudo e não tem
vaga para mudos nos jogos para-panamericanos.

Juan se conforma,poe o capacete e começa a chorar,pensa que
ao contrário do seu Pai Tonis Devil que só tinha uma perna
um braço,era surdo,mudo,cego e mesmo assim foi heptacampeão
de todas as provas de uma mesma olimpiada,Juan era
só um ajudante de psicopata qualquer.

Ramirez olha fixamente,mostrando o velho olhar
de lobo para Clayton e então diz ao afro-brasileiro:

"Aceita el português como segundo idioma dos E.U.A?"

Clayton responde rapidamente.

"Segundo pos que?"

Ramirez tenta explicar que seu sonho é o mesmo.

"Es que Yo,tambiem tengo este sueño,tambiem quero
mudar el idioma dos E.U.A ,mas yo
quero mudar de Inglês para Espanhol,compreende?"

Clayton olha com espanto o sentimento bondoso de Ramirez
e pronuncia o rico português:

"Porra maluco,desde que eu comi a Creuza,nunca vi
algo tão bunito,você mermo teno o mermo objetivo que
eu tu aceita essa parceria,eu só não to emocionado
por quê num sou viado..."

Clayton é interrompido por Ramirez

"Entonces,aceita?"

Agora com uma expressão mais "Domingão de sol" Clayton
confirma a parceria

"Mais é craro,sem pobrema,o espanhol vai ser o
1° idioma dos Istado Sumido e o português vai sê o
segundo,é nóis,demorô mermão,eu Crayto concordo
e apoio,acho o espanhol um idioma bunito,merece
é nois,é nois!"

Então os 3 voltam a moto e cantam Mercedes Sosa no caminho
ao consulado.
Por horas ambos festejam e o timido Juan apenas sorri.

Clayton tenta incentivar Juan
"Coé branquelo,conta um piada aí também"

"Elle es mudo,no pode hablar"Interrompe Ramirez

Clayton Conclui

"Deficiente filho da puta hahahaahahahahaa"

Juan fica envergonhado,mas tenta esqueçer
lembra que ali só tem pessoas boas com bom coração
e boas intenções.

Entretanto,derrepente a paz da viagem é pertubada

*Baruuuuuum*

É uma forte explosão,a moto voa graças ao incidente
as rodas saem e a lataria velha não resiste.
Os tripulantes são lançados ao chão
Juan caiu de cabeça no chão e desmaia,Ramirez e Clayton
levantam do chão com as roupas escuras e com cheiro forte
de polvora,a visão ainda está embaçada,ambos estão
sangrando,porém lucidos e firmes.

Enquanto seus olhos parecem aceitar a realidade
Um vuto de alguem com roupa azul é enchergado por Clayton
O Brasileiro então cospe no chão,pega a arma emprestada por
Ramirez e avisa.

"Companheiros,temos pobrema...os verme chegô!"

sexta-feira, 3 de agosto de 2007

O Sonho de um Mexicano:
Capítulo Cinco, "I AM Crayton"


Então estava lá o destino do homem,sendo talvez
sepultado por suas ultimas palavras,ele não
tentou rezar pela vida,não tentou pedir piedade,
mas não encorajou Ramirez a atirar,só foi neutro
como se aquilo fosse normal,como pegar uma moeda
que caiu no chão.

Ramirez fica impaciente,sua falta de reconheçimento
contribuem com o nervosismo e as horas daquele homem
na terra encurtavam a cada respiração de um tenso Ramirez
Entretanto o homem pelo jeito começa a dizer,seus musculos
faciais movendo deixam Ramirez Acalmado,e a seguinte frase
é solta pelo homem de cor de pele e cabelos escuros:

"Aê,mermão,qué limpa meu ouvido?se não,tira isso daí"

Depois da frase os olhos de Ramirez soltam pra fora de
tanto espanto,o ar de seu rosto poderia ser resumido
em Surpresa,Ramirez deixa a arma cair no chão,e se
afasta,O Mexicano agora olha para o outro homem
com admiração,agora é a felicidade que transborda de
Ramirez,ele sente e diz a si mesmo.

"Escutei esse idioma,es portugues,es,es latim
es uno hermano,este hombre es uno hermano!
este hombre es uno ser superior"

Então Ramirez é observado com o mesmo olhar
calmo de sempre pelo ser que dominava o português
ele faz algumas perguntas,aparentemente sem sentido
a Ramirez.

"Aê do bigodim,na minha area se limpava os ovido
cum cudunete,tem metodo moderno agora?parece uma pistola
mas limpa ouvido essa porra?Eu me lembro que dei
uma igual ao meu subrinho,lá nu comprexo da maré
ele tava começano,sabe?Compreto três anu,arrente tem
que dar uma força,pra nun se perde na vida,mas
ela servia pá matá,por acaso isso daí era pra mi matá?"

Ramirez logo pega sua arma e pede desculpa ao homem
"Hey,hermano,por Dios,perdoa-me,eso no era mi intencion,
yo no desconfiava que tu no es Americano,realmiente
perdon,o que posso hacer para ajudar-te?"

O Afro-Brasileiro então acha a situação estranha
e acha que Ramirez é realmente maluco,um ser
normal como aquele homem não podia entendr o que
passava pela cabeça de Ramirez.

"Aê irmão,tu tem algum pobrema é?tu é
estranhão,rapá,mas pelo jeito tu é
rrente boa,é dos mano que topa,aê
já que você se preusupos a ajudar,tu
vai me seguir nuns prano que eu to tendo..."

Ramirez interrompe o homem e diz
"Perdon novamente,pero no podemos
ficar aqui,daqui a pouco a policia chega
tem una moto muy grande com uno amigo,cabe
nós 3 sem duvidas,quieres ir conosco
e no caminho conta tu desejo?"

Então sem pausas,Ramirez é respondido

"Sim,será interessante,prazê,
meu nome é Creito, C-L-A-Y-T-O-N
creito"

Ramirez responde rápido

"Yo soy Ramirez,sigue me os bons"

Chegando lá Clayton é apresentado a Juan
e a loira que anteriormente o mudo tinha
pego foi morta atropelada Acidentalmente
não tão acidentalmente assim.
No caminho ao consulado Ramirez e Clayton
se introsam como velhos parceiros,Claton
conta de sua dura vida em uma favela no Brasil
e o assunto do favor que Ramirez faria a
Clayton foi esqueçido.

Juan estranha,nunca pensou que Ramirez
fosse tão boa gente com alguem,mesmo não
sendo Americano,ele nunca tinha visto o seu parceiro
por tanto tempo de bom humor e sendo pacifico assim.
Juan avisa a Ramirez para não esqueçer seus reais objetivos

"Ramirez,não podemos esqueçer nossas metas,pra
que viemos para cá"

Ramirez então responde a Juan
"Aprende a falar porra"

Juan fica queto sabe-se lá
o porquê.

Então em meio a viagem a chuva cai e relembra
Clayton que a conclusão do seu objetivo era sem acompanhantes
Clayton interrompe a viagem educadamente

"Para essa porra aí,mudo filho da puta"

E se despede de Ramirez.
Os olhos do Mexicano ainda estão alegres
é bom saber que existe gente boa no mundo
como Clayton..Então Ramirez re-lembra do favor
que estava devendo e questiona Clayton,querendo
saber o que podia fazer

Clayton caminha e responde de longe

"Esqueçe,o do bigode,arrente tamo quite
eu tenho que concruir meu objetivo,meu sonho
nessa terra filha da puta"

Ramirez fica curioso e pergunta a seu amigo
partindo

"Hey hombre,talvez poso ajudar você
a concluir tu sueño,por quê no?
Diga qual es tu sueño?"

Cleyton sorri levemente com seus dentes
amarelados e responde

"Eu quero que o português seja
o idioma oficial dessa merda aqui..."